Impotentie brengt een constant ongemak met zich mee, net als fysieke en psychologische problemen in uw leven cialis kopen terwijl generieke medicijnen al bewezen en geperfectioneerd zijn

Pereira

FONSECA, Z.A.A.S. et al. Helmintos gastrintestinais de caprinos leiteiros do Município de
Afonso Bezerra, Rio Grande do Norte, Brasil. PUBVET, Londrina, V. 7, N. 19, Ed. 242, Art.
1598, Outubro, 2013.
PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia.
Helmintos gastrintestinais de caprinos leiteiros do Município de Afonso
Bezerra, Rio Grande do Norte, Brasil
Zuliete Aliona Araújo de Souza Fonseca1, Josivania Soares Pereira2, Adiza Cristiane Avelino Bezerra3, Danielly Bezerra Avelino3, Ana Sabrina Coutinho Marques3, Kaliane Alessandra Rodrigues de Paiva4, Luiz da Silva Vieira5, Sílvia 1 Médica veterinária, Mestre em Ciência Animal-UFERSA. 2 Bióloga, técnica do Laboratório de Parasitologia Animal e doutoranda do Programa de Pós-Graduação em Ciência Animal da Universidade Federal Rural do Semi-Árido (UFERSA). E- mail: josigej@ufersa.edu.br 3 Médica veterinária, Mestre em Ciência Animal-UFERSA. 4 Bióloga e discente da graduação em Medicina Veterinária – UFERSA. 5 Pesquisador da Embrapa Caprinos e Ovinos, Sobral –CE. 6 Médica Veterinária e docente da UFERSA. A caprinocultura se constitui em uma atividade de grande importância social e econômica para o Nordeste brasileiro. No entanto, problemas sanitários representam limitações para a produção de caprinos como as endoparasitoses, promovendo altas taxas de mortalidade. Objetivando buscar subsídio para entender a fauna e dinâmica populacional das verminoses que acometem caprinos leiteiros no município de Afonso Bezerra, maior produtor do estado do FONSECA, Z.A.A.S. et al. Helmintos gastrintestinais de caprinos leiteiros do Município de
Afonso Bezerra, Rio Grande do Norte, Brasil. PUBVET, Londrina, V. 7, N. 19, Ed. 242, Art.
1598, Outubro, 2013.
Rio Grande do Norte, foi realizado um levantamento epidemiológico de helmintos gastrintestinais com utilização de traçadores. Utilizaram-se caprinos traçadores submetidos previamente a condições ambientais naturais da região, sendo seu conteúdo gástrico recuperado e enviado para análise, identificação e contagem dos exemplares encontrados. Os resultados demonstraram que a dinâmica populacional das helmintoses sofre influência direta de fatores climáticos, sendo os helmintos encontrados em ordem de prevalência Haemonchus contortus (57,23%), Trichostrongylus colubriformis (40,54%), Oesophagostomum columbianum (1,42%), Trichuris globulosa (0,46%), Trichostrongylus axei (0,19%), Moniezia expansa (0,15%) e Strongyloides papillosus (0,1%).
Palavras–chave: Caprinocultura, Epidemiologia, Endoparasitos, Traçador
Gastrointestinal helminth in dairy goats from municipality of Afonso
Bezerra, Rio Grande do Norte, Brazil
Abstract
The goat constitutes an activity of great social and economic importance to the Brazilian Northeast. However, health problems represent limitations on the production of goats as endoparasitoses, promoting high mortality rates. Aiming to seek grant for understanding population dynamics and fauna of worms that affect dairy goats in the municipality of Afonso Bezerra, the largest producer in the state of Rio Grande do Norte, an epidemiological survey was conducted of gastrointestinal helminths using tracers. We used tracer goats previously submitted to natural environmental conditions of the region, and its stomach contents recovered and sent for analysis, identification and counting of specimens found. The results showed that the population dynamics of helminth suffers direct influence of climatic factors, and the helminths found in order of prevalence Haemonchus contortus (57.23%), Trichostrongylus colubriformis (40.54%), Oesophagostomum columbianum (1.42%), Trichuris globulosa FONSECA, Z.A.A.S. et al. Helmintos gastrintestinais de caprinos leiteiros do Município de
Afonso Bezerra, Rio Grande do Norte, Brasil. PUBVET, Londrina, V. 7, N. 19, Ed. 242, Art.
1598, Outubro, 2013.
(0.46%), Trichostrongylus axei (0.19%), Moniezia expansa (0.15%) and Strongyloides papillosus (0.1%).
Keywords: Goat, Epidemiology, endoparasites, plotter
Introdução
Apesar de ter sido a cabra o primeiro animal capaz de produzir alimentos a ser domesticado pelo homem, há cerca de dez mil anos, apenas nos últimos anos é que a caprinocultura vem se aprimorando. Isto porque os novos criadores, e mesmo os mais antigos, têm encarado a atividade de uma forma mais profissional, preocupando-se em viabilizar economicamente suas criações através do aumento de eficiência na produção e comercialização dos produtos, diferentemente do que ocorria há alguns anos (Ribeiro, 1997). Independente do objetivo da criação, a exploração destes animais tem contribuído para o desenvolvimento econômico do Rio Grande do Norte (Maciel et al., 2006). Entretanto, o manejo sanitário deficiente fornecido aos rebanhos, associado à ocorrência de doenças e altos índices de mortalidade, têm se constituído em fatores limitantes ao desenvolvimento da atividade, não só nesse estado, como em todo o Nordeste brasileiro (Borges, 2003). Segundo informações levantadas para o Diagnóstico da Cadeia Produtiva da Caprinovinocultura no Rio Grande do Norte, realizado em 2001 pelo Serviço de Apoio às Pequenas e Médias Empresas do RN - SEBRAE observou-se que as ectoparasitoses e endoparasitoses estão entre as principais doenças que afetam os rebanhos da região, onde 80% encontram-se afetados pelas verminoses, representando um dos maiores e graves problemas sanitário concernente à caprinovinocultura, devido aos prejuízos econômicos causados pela redução de produtividade, morbidade e mortalidade no rebanho, ocupando lugar de destaque principalmente devido à indisponibilidade de ferramentas eficazes de controle (Silva et al., 2003; Buzzulini et al., 2007; Dentre os principais helmintos que acometem caprinos e ovinos com maior prevalência e intensidade de infecção estão Haemonchus contortus, FONSECA, Z.A.A.S. et al. Helmintos gastrintestinais de caprinos leiteiros do Município de
Afonso Bezerra, Rio Grande do Norte, Brasil. PUBVET, Londrina, V. 7, N. 19, Ed. 242, Art.
1598, Outubro, 2013.
Trichostrongylus colubriformis, Strongyloides papillosus e Oesophagostomum columbianum, sendo considerados os endoparasitos de maior importância econômica para a exploração de caprinos e ovinos (Ahid et al., 2008). São vários os fatores que influenciam as populações de helmintos, mas a regulação sobre sua variação sazonal ocorre, principalmente, pelas condições climáticas sobre os estágios de vida livre desses parasitos (Chagas et al., Nesse contexto, objetivou-se realizar um levantamento epidemiológico das espécies de helmintos gastrintestinais prevalentes em caprinos criados no Município de Afonso Bezerra, Rio Grande do Norte. Material e Métodos
O estudo foi realizado em propriedades com sistema de criação semi extensivo no município de Afonso Bezerra, estado do Rio Grande do Norte, localizado na Messoregião Central Potiguar, Microrregião de Angicos (S 05º 29’ 337’’; WO 36º 32’ 065’’). A escolha foi realizada a partir de questionários, através dos quais foram levantadas informações quanto à quantidade de animais, manejo e métodos antiparasitários empregados ao rebanho. Mensalmente três caprinos jovens machos (4 a 6 meses), foram confinados e submetidos a tratamento anti-helmínticos com vermifugação supressiva, utilizando três princípios ativos distintos (Closantel, Albendazol e Ivermectina) com intervalo de 24 horas para cada aplicação, visando deixá-los livres de nematódeos gastrintestinais. Ao final do tratamento, foi realizado a contagem do ovos por gramas de fezes (OPG) para confirmar a negatividade Os caprinos foram então identificados e liberados como traçadores e mantidos por 30 dias, sendo submetidos às mesmas condições de manejo fornecidas ao rebanho. Ao fim desse período, retornaram ao confinamento por mais 15 dias, perfazendo o período de prepatência. Decorrido o tempo pré- determinado, os animais traçadores foram sacrificados e necropsiados, de FONSECA, Z.A.A.S. et al. Helmintos gastrintestinais de caprinos leiteiros do Município de
Afonso Bezerra, Rio Grande do Norte, Brasil. PUBVET, Londrina, V. 7, N. 19, Ed. 242, Art.
1598, Outubro, 2013.
acordo com normas internacionais estabelecidas pela Associação Mundial para o Avanço da Parasitologia Veterinária (WAAVP) descrito por Vercruyse et al. (2002), sendo suas vísceras intestinais enviadas ao Laboratório de Parasitologia Animal da Universidade Federal Rural do Semí-Árido (UFERSA) para recuperação da carga parasitária total do trato gastrintestinal, assim como identificação e contagem dos exemplares encontrados. Durante o estudo foram acompanhados um total de 36 caprinos jovens, cujos espécimes de helmintos recuperados foram fixados em AFA (93% de álcool a 70%, 5% de formol e 2% de ácido acético glacial) e conservados em Álcool a 70% glicerinado (10%), exceto os cestodas que foram fixados e conservados diretamente no álcool a 70%. A identificação foi realizada com base nos aspectos morfológicos, de acordo com as características descritas por Os dados de temperatura, índice pluviométrico e umidade relativa do ar foram disponibilizados pela Empresa de Pesquisa Agropecuária do Rio Grande Resultados e Discussão
Durante o período estudado foi observado o parasitismo por nematódeos gastrintestinais em todos os caprinos abatidos, sendo as espécies encontradas em ordem decrescente de prevalência Haemonchus contortus, Trichostrongylus Trichostrongylus axei e Moniezia expansa (Tabela 1). Além das mesmas espécies de endoparasitos encontradas no presente estudo, Cooperia spp. e Bunostomum trigonocephalum, foram observados parasitando caprinos no Estado do Ceará por Arosemena (1999). Mesmo com pequenas cargas parasitárias observadas durante o período de menor precipitação, ocorreu infecção em todos os meses estudados, sendo encontradas espécies distintas de acordo com o órgão parasitado. Desse modo FONSECA, Z.A.A.S. et al. Helmintos gastrintestinais de caprinos leiteiros do Município de
Afonso Bezerra, Rio Grande do Norte, Brasil. PUBVET, Londrina, V. 7, N. 19, Ed. 242, Art.
1598, Outubro, 2013.
os helmintos encontrados parasitando abomaso foram H. contortus (57,23%) e Tabela 1 – Prevalência, intensidade média e amplitude de variação da infecção por helmintos gastrintestinais em caprinos traçadores, no município de Afonso Bezerra, Rio Grande do Norte, Brasil Resultados semelhantes foram descritos por Ramos et al. (2004) que relataram H. contortus (100%) e T. axei (98,7%) parasitando abomaso, além de T. colubriformis (1,3%), Teladorsagia circumcinta (100%) e Ostertagia ostertagi (100%). Esses autores ainda destacaram o H. contortus como a espécie que apresentou maior intensidade média de infecção, variando de um modo geral entre 500 a 4.500 exemplares. Corroborando com as médias encontradas no presente estudo para a espécie H. contortus, onde se observou a carga parasitária variando de 1 a 4.530, divergindo apenas na amplitude inferior de infecção provavelmente em função das condições climáticas do Estado de Santa Catarina serem mais favoráveis que as da região semiárida do Nordeste para o desenvolvimento e manutenção dos estágios de vida livre Segundo Amarante (2005), H. contortus é a principal espécie responsável por perdas em decorrência de verminoses, sendo considerado de grande patogenicidade. Isso ocorre devido o mesmo ser hematófago, causar anemia severa, que se manifesta por palidez das mucosas e edema da região submandibular, e até mesmo promover a morte em animais portadores de . PUBVET, Londrina, V. 7,
Strongyloides papillosus e M. expansa (0 FONSECA, Z.A.A.S. et al. Helmintos gastrintestinais de caprinos leiteiros do Município de
Afonso Bezerra, Rio Grande do Norte, Brasil. PUBVET, Londrina, V. 7, N. 19, Ed. 242, Art.
1598, Outubro, 2013.
No Rio Grande do Norte, em trabalho realizado para determinar a distribuição sazonal e a carga parasitária de helmintos gastrintestinais em rebanho ovino no sertão do Cabugi - RN, Souza et al. (2007) não observaram relação significativa entre os parâmetros parasitológicos e a pluviosidade. Em contrapartida, Ahid et al. (2008), em levantamento realizado durante 24 meses em caprinos e ovinos procedentes da região Oeste do Rio Grande do Norte, observaram uma elevação na incidência de nematódeos gastrintestinais após o período de maior precipitação pluviométrica, confirmando a existência de uma relação entre os fatores climáticos e a dinâmica populacional dos Para Silva et al. (2003), em pesquisa com caprinos traçadores no semiárido paraibano, a distribuição mensal da carga parasitária acompanhou o padrão de distribuição das chuvas durante o período do estudo, sendo recuperado aproximadamente 80% da totalidade da carga parasitária anual no período chuvoso, restando aproximadamente 20% da carga para os meses de Esses valores se aproximam daqueles encontrados no presente estudo, em que 83% da totalidade da carga parasitária foi recuperada no período chuvoso e 17% no período seco, indicando que o parasitismo por nematódeos gastrintestinais sofre influência direta da precipitação e que, embora a região nordeste seja comumente afetada pela seca, interferindo na viabilidade de larvas no meio ambiente, estas sofrem adaptações no hospedeiro e continua seu parasitismo, muitas vezes em hipobiose, sendo a temperatura e umidade os principais fatores ambientais que condicionam o desenvolvimento, a sobrevivência e a transmissão dos estágios de vida livre, interferindo diretamente na elevação da carga parasitária em caprinos (Arosemena, 1999; FONSECA, Z.A.A.S. et al. Helmintos gastrintestinais de caprinos leiteiros do Município de
Afonso Bezerra, Rio Grande do Norte, Brasil. PUBVET, Londrina, V. 7, N. 19, Ed. 242, Art.
1598, Outubro, 2013.
Conclusões
O parasitismo por nematódeos gastrintestinais é frequente durante todo ano, elevando-se de acordo com alterações climáticas, sendo as espécies Trichostrongylus axei parasitando abomaso, Trichostrongylus colubriformis, Strongyloides papillosus e Moniezia expansa o intestino delgado e, Oesophagostomum columbianum e Trichuris globulosa o intestino grosso, sendo o T. colubriformis e H. contortus as espécies de maior prevalência. Referências

Ahid, S. M. M.; Bezerra, A. C. D. S.; Maia, M. B.; Costa, V. M. M.; Soares, H. S. Parasitos
gastrintestinais em caprinos e ovinos da região oeste do RN, Brasil. Ciência Animal
Brasileira
, v. 9, n. 1 , p.212-218, 2008. Disponível em:www.revistas.ufg.br. Acesso em 24
mar. 2013
Amarante, A. F. T. Controle de verminose ovina. Revista do Conselho Federal de Medicina
Veterinária
, v.34, p.19-30, 2005.
Arosemena, N. A. E., Bevilaqua, C.M.L., Melo, A.C.F., Girao M .D. Seasonal variations of
gastrointestinal nematodes in sheep and goats from semiarid area in Brazil. Revue de
Médeicine Veterinaire
, v.150, n.11, p.873-876, 1999. Disponível em:www.revmedvet.com.
Acesso em: 23 mar. 2013.
Borges, C. C. L. Atividade in vitro de anti-helmínticos sobre larvas infectantes de nematódeos
gastrintestinais de caprinos, utilizando a técnica da coprocultura quantitativa (Ueno, 1995).
Parasitologia
Latinoamericana,
em:www.scielo.cl/pdf/parasitol. Disponível em:23 mar. 2013.
Buzzulini, C.; Sobrinho, A. G. S.; Costa, A. J.; Santos, T. R.; Borges, F. A.; Soares, V. E.
Eficácia anti-helmíntica comparativa da associação albendazole, levamisole e ivermectina à
moxidectina em ovinos. Pesquisa Agropecuária Brasileira, v. 42, n.6, p.891-895, 2007.
Disponível em:www.scielo.br. Acesso em: 23 mar. 2013.
Chagas, A. C. S.; Vieira, L. S.; Cavalcante, A. C. R.; Martins, L. A. Controle de verminose em
pequenos ruminantes adaptados para a região da Zona da Mata/MG e Região Serrana do Rio
de
Circular
técnica,
www.infoteca.cnptia.embrapa.br. Disponível em: 23 mar. 2013. Maciel, F. C.; Ahid, S. M. M.; Moreira, F. R. C. Manejo sanitário de caprinos e ovinos. In:
CRIAÇÃO familiar de caprinos e ovinos no Rio Grande do Norte: orientações para viabilização
do negócio rural. Natal: EMATER-RN, EMPARN, Embrapa caprinos. V.16, p. 391-426,
2006.
FONSECA, Z.A.A.S. et al. Helmintos gastrintestinais de caprinos leiteiros do Município de
Afonso Bezerra, Rio Grande do Norte, Brasil. PUBVET, Londrina, V. 7, N. 19, Ed. 242, Art.
1598, Outubro, 2013.
Martins Filho, E. & Menezes, R. C. A. A. Parasitos gastrointestinais em caprinos (Capra hircus)
de uma criação extensiva na microrregião de Curimataú, estado da Paraíba, Brasil. Revista
Brasileira de Parasitologia Veterinária
, v. 10, p.41-44, 2001. Disponível em: cbpv.com.br.
Acesso em: 23 mar. 2013.
Ramos, C. I.; Bellato, V.; Souza, A. P.; Avila, V. S.; Coutinho, G. C.; Dalagnol, C. A.
Epidemiologia das helmintoses gastrintestinais de ovinos no Planalto Catarinense. Ciência
Rural
, v. 34, n. 6, p.1889-1895, 2004. Disponível em: www.scielo.br. Acesso em: 20 mar.
2013.
Rodrigues, A. B.; Athayde, A. C. R.; Rodrigues, O. G.; Silva, W. W.; Faria, E. B. Sensibilidade
dos nematóides gastrintestinais de caprinos a anti-helmínticos na mesorregião do Sertão
Paraibano. Pesquisa Veterinária Brasileira, v. 27, n.4, p.162-166, 2007. Disponível em:
www.scielo.br. Acesso em: 25 mar. 2013.
Ribeiro, S. D. A. Caprinocultura: Criação Racional de Caprinos. São Paulo: Nobel, 1997.
19p.
Silva, W. W.; Bevilaqua, C. M. L.; Rodrigues, M. L. A Variação sazonal de nematóides
gastrintestinais em caprinos traçadores no semi-árido paraibano – Brasil. Revista Brasileira
de Parasitologia Veterinária
, v.12, n. 2, p.71-75, 2003. Disponível em: www.cbpv.com.br
Acesso em: 25 mar. 2013.
Souza, M. F.; Macedo, C. L.; Silva, R. M.; Farias, A. C. B.; Guimarães, M. P. Distribuição
sazonal e carga parasitária de nematódeos gastrintestinais e Eimeria spp. em rebanho ovino
no sertão do Cabugi, Rio Grande do Norte. In: XX Congresso Brasileiro de Parasitologia,
20, 2007. Recife, PE. Anais. Recife: 2007.
Ueno H. & Gonçalves P. C. Manual para diagnóstico das helmintoses de ruminantes.
4.ed.Tokio: Japan International Cooperation Agency. p. 25-28, 1998.
Vercruyse, J.; Holdsworth, P.; Letonja, T.; Conder, G.; Amamoto, K.; Okano, K.; Rehbein, S.
International harmonisation of anthelmintic efficacy guidelines. Veterinary Parasitology, v.
103, p.277–297, 2002.

Source: http://www.pubvet.com.br/imagens/artigos/19102013-143105-pereira1598.pdf

gpbuddy.ie

Diabetes ➊ Lifestyle interventions: Type 2 The authors state that these ‘remarkable’ findings are a ‘radical change in understanding T2DM’. This research ‘ carries major implications for information to be given to BJGP2013 ;63:60 newly diagnosed patients, who should know that they have a potentially reversible condition and not one that is inevitably This

Patient info steroids _2_.doc

Treatment of relapses in multiple sclerosis Patient Information Leaflet Introduction Relapses in multiple sclerosis (MS) are common and caused by inflammation in the brain or spinal cord. This causes symptoms the nature of which depends on the part of the brain or spinal cord affected. The symptoms may be relatively mild or more obvious and troublesome. For example, a person may de

Copyright © 2010-2014 Online pdf catalog