Impotentie brengt een constant ongemak met zich mee, net als fysieke en psychologische problemen in uw leven cialis kopen terwijl generieke medicijnen al bewezen en geperfectioneerd zijn

Revista_15.indd

Campos HS . O médico e o cigarro
Opinião
O médico e o cigarro
RESUMO
O tabagismo é um dos principais fatores causadores de doença e morte em todo o mundo. Noventa porcento dos casos de
câncer do pulmão e de doença pulmonar obstrutiva crônica (DPOC) são causados pelo fumo, que também está diretamente
ligado a graves doenças cardiovasculares, bem como a diversos outros problemas de saúde. Os custos ligados às doenças
tabaco-relacionadas são altos, assim como são grandes as agressões feitas pelas indústrias do fumo ao meio-ambiente, acar-
retando problemas para todos. O médico é o principal responsável pelas ações de saúde e, obrigatoriamente, tem que dar o
exemplo e incluir o combate ao tabagismo na sua prática diária.
Descritores: tabagismo, DPOC, neoplasias pulmonares, abandono do hábito de fumar.
ABSTRACT
Smoking is a major cause of death and disease worldwide. Over 90% of cases of lung cancer and chronic obstructive pulmo-
nary disease (COPD) are due to smoking and the habit is also directly associated with severe cardiovascular disease as well as
many other health problems. Costs associated with smoking related diseases are high and the physician should be in a prime
position to contain this problem and to offer specific help to addicted patients consulting with respiratory disease.
Keywords: smoking, COPD, lung neoplasms, smoking cessation.
A fumaça do cigarro contém mais de 4.800 pro- sentava alteração da função pulmonar, independente- dutos químicos, sendo que 69 deles são reconhecida- mente da carga tabágica. Os autores concluíram que mente causadores de câncer, fazendo do tabaco um a baixa proporção de disfunções respiratórias entre os dos principais agentes causais de câncer. A nicotina é fumantes avaliados indica que fatores outros, como a substância responsável pela adição. Quando inalada, predisposição genética e estimulação ambiental, além atinge o cérebro mais rápido do que drogas injetadas do tabagismo, certamente estão envolvidos no risco intravenosamente. Fumantes não se tornam apenas de dano funcional respiratório. O desenho do estudo fisicamente dependentes da nicotina; eles também as- não permitiu explicar por que a grande proporção de sociam o fumar a atividades sociais, fazendo do taba- sintomáticos respiratórios na amostra examinada não se refletiu nos resultados funcionais encontrados. Nou- Excelentes artigos focando o papel do tabagismo tro artigo, no qual os autores apresentam os resultados na gênese de doenças podem ser lidos neste número de uma pesquisa sobre tabagismo entre os usuários de da Pulmão RJ. Num deles, são apresentados os resulta- um serviço odontológico do SUS, em Cuiabá, MT, ob- dos de um inquérito populacional realizado na cidade servou-se que o fumo estava associado a escolaridade, do Rio de Janeiro, no qual procurou-se avaliar o dano sexo, religião, estado civil, uso de droga ilícita, alcoolis- funcional respiratório entre os fumantes. Nele, embora mo e ocupação. Informações como essa podem ajudar 71% dos 889 indivíduos avaliados relatassem algum a definir estratégias e públicos alvos mais efetivos para sintoma respiratório, a maior parte (70%) não apre- 1. Médico do Centro de Referência Prof. Helio Fraga, MSLocal de realização: Centro de Referência Prof. Helio Fraga, MS Endereço para correspondência: Hisbello S. Campos. Rua do Catete, 311/708, Rio de Janeiro. Brasil. CEP 22220-001 e-mail: hisbello@globo.com
Recebido para publicação no dia 01/12/2005 e aceito em 07/12/2005, após revisão.
Campos HS . O médico e o cigarro
As principais preocupações dos pneumologistas por cifras significativas de doença e morte, bem como são o câncer de pulmão e a doença pulmonar obstruti- por prejuízos financeiros para seus portadores e fami- va crônica (DPOC), já que o fumo é diretamente respon- liares, governos e sociedades, deve-se ressaltar que, na sável por 90% dos casos de neoplasia pulmonar e por realidade, os dados conhecidos são subestimativas da 80-90% dos casos de DPOC.2 No entanto, o tabagismo real magnitude do problema. A complexidade e o alto está associado também às doenças cardiovasculares (é custo da obtenção de dados sobre a doença, aliados ao o principal fator relacionado à doença cardíaca e aos subdiagnóstico, à falta de definições claras da doença acidentes vasculares cerebrais), como a diversas outras para fins epidemiológicos e à imprecisão no preenchi- alterações, tais como infertilidade, retardo na cicatriza- mento de prontuários médicos e atestados de óbitos, ção, doença ulcerosa péptica e pneumonia.3 Segundo colaboram para que, mesmo alarmantes, as estatísticas a American Lung Association, as doenças tabaco-asso- divulgadas reflitam apenas parte do todo.
ciadas são responsáveis pelas mortes de 440.000 nor- Até recentemente, quase todos os estudos rea- te-americanos, a cada ano, incluindo aqueles afetados lizados em países desenvolvidos mostravam índices indiretamente, tais como os bebês prematuros em fun- de prevalência e de mortalidade altos e consideravel- ção do tabagismo materno e os fumantes passivos.4 mente maiores entre os homens.9,10 Nos países menos Estima-se que fumar na gravidez seja responsável por desenvolvidos, no entanto, alguns estudos revelavam 20-30% dos casos de recém-natos de baixo peso, por taxas discretamente maiores entre as mulheres.2,11 Pos- até 14% dos partos prematuros e por cerca de 10% da sivelmente as diferenças entre os sexos se devam aos fatores de exposição, especialmente ao fumo, cuja pre- O tabagismo também é responsável por eleva- valência era maior entre os homens nos países desen- do prejuízo financeiro. Apenas nos Estados Unidos, os volvidos, e à exposição a gases nocivos e a partículas custos relacionados ao tabagismo superam os US$ 150 oriundas do hábito de usar lenha no cozimento dos bilhões anualmente, incluindo US$ 81,9 bilhões com alimentos e no aquecimento das casas, mais freqüen- perda de produtividade ligada à mortalidade e US$ te nas regiões menos desenvolvidas.12 Entretanto, es- tudos mais recentes revelam um novo padrão epide- A associação entre DPOC e câncer de pulmão ficou miológico, com a prevalência de DPOC quase igual nos clara numa meta-análise de estudos que procuraram dois sexos.13 Provavelmente, isso reflete uma mudança relacionar o volume expiratório forçado no primeiro no padrão de exposição ao principal fator de risco para segundo (VEF ) e o câncer de pulmão, que indicou que a DPOC: o tabagismo. O subdiagnóstico é uma realida- mesmo pequenas reduções do VEF são preditivas da de. Como exemplo, pode-se citar um grande estudo doença. Em quatro estudos selecionados, observou-se epidemiológico sobre a DPOC, realizado na Espanha que o risco de câncer de pulmão aumentava quando o (IBERPOC), que revelou que a prevalência de obstrução VEF diminuía, depois de ajustado pelo tabagismo. En- crônica ao fluxo aéreo na população geral era de 9,1% tre os homens, o mais baixo quintil do VEF estava as- entre aqueles com idade entre 40 e 70 anos; a relação sociado a um risco 2,23 vezes maior de câncer de pul- homem/mulher foi de 4:1. No entanto, 88% dos doentes mão, quando comparado ao quintil mais alto. Entre as identificados nunca haviam sido diagnosticados.14,15 mulheres, essa proporção foi de 3,97.7 Recentemente, Com base nas taxas grandes e crescentes, que indi- foi publicado um estudo dinamarquês, realizado entre cam que, até 2020, a DPOC estará entre as quatro prin- 1964 e 2003, que procurou determinar se a redução no cipais causas de comprometimento da saúde huma- número de cigarros fumados por dia seria uma estraté- na,16 a Organização Mundial da Saúde (OMS) divulgou gia viável para reduzir o risco de câncer de pulmão. A um alerta: “Parar de fumar é um passo essencial para análise de regressão revelou correlação entre diminuir reduzir substancialmente os riscos à saúde impostos a intensidade ou parar de fumar e a redução do risco. aos fumantes, e daí, melhorar a saúde em todo o mun- Mesmo com taxas diferentes entre os grandes fuman- do. Está demonstrado que o tabaco causa cerca de 25 tes e os demais, observou-se a redução de 62% no nú- doenças possivelmente letais, ou grupos de doenças, mero de cigarros fumados por dia estava associada a muitas das quais podem ser prevenidas, retardadas ou 27% de redução no risco de câncer. Constatou-se, tam- abrandadas pela cessação do fumo. Na medida em que bém, que deixar de fumar e nunca fumar são, de lon- a expectativa de vida aumenta nos países desenvolvi- ge, os meios mais efetivos para reduzir a incidência de dos, o peso da morbidade e da mortalidade por doen- câncer,8 o que faz de programas antitabágicos estraté- ças crônicas aumentará ainda mais. Esse cenário pro- gias fundamentais para reduzir o impacto humano e jetado de aumento das doenças tabaco-relacionadas financeiro de grande parte das doenças respiratórias. pode ser aliviado por esforços intensivos na parada do Usemos agora a DPOC como um indicador de fumo. Estudos demonstram que 75-80% dos fumantes doença tabaco-relacionada. A maior parte dos dados querem parar, enquanto um terço fez, pelo menos, três atuais sobre sua prevalência, morbidade e mortalidade tentativas sérias para deixar de fumar. Esforços para é originária dos países desenvolvidos e indica que seu abandonar o fumo não podem ser ignorados em favor impacto vem crescendo. Mesmo sendo responsável da prevenção primária; ao contrário, ambos os esforços Campos HS . O médico e o cigarro
têm que ser feitos em conjunto. Se uma pequena parte que eu tenho que parar de fumar”. Comprovadamente, dos atuais 1,1 bilhões de fumantes conseguir parar, os um breve e objetivo aconselhamento traz resultados benefícios sobre a saúde e econômicos serão imensos. favoráveis; aumento substancial das taxas de aban- Governos, comunidades, organizações, escolas, famílias dono do fumo pode ser obtido com aconselhamento e indivíduos devem ajudar os fumantes a abandonar médico conciso (1 a 2 minutos).21 Quando o conselho é dado numa situação na qual a consulta foi motivada Um grande estudo europeu (The Lung Health Stu- por queixa associada ao fumo, a efetividade da reco- dy), realizado recentemente, trouxe informações rele- mendação é multiplicada. O importante é acentuar os vantes sobre a relação entre fumo e DPOC. Avaliando efeitos positivos do abandono do fumo, em vez de usar 5.887 participantes com evidências de DPOC inicial, falas aterrorizantes sobre os malefícios do fumo.22,23 concluiu-se que parar de fumar tinha um efeito signi- Parte dos fumantes precisa de outros recursos, ficativo na velocidade de queda do VEF , o desfecho além do apoio médico, para conseguirem ficar sem primário do estudo.18 Dessa forma, para fumantes com fumar. As alternativas incluem a reposição de nicotina DPOC, parar de fumar é a coisa mais efetiva a fazer para e fármacos. Meta-análises recentes concluíram que to- reduzir a progressão da doença. Como nas questões das as formas de reposição de nicotina são efetivas24 relacionadas à saúde, o médico é o interlocutor mais e que, dentre os fármacos disponíveis para ajudar o respeitado e deve incluir o aconselhamento antitabá- fumante a permanecer sem fumar, o bupropion e a gico. Idealmente, ações visando a prevenção primária e nortriptilina são úteis,25 ao contrário da naltrexona,26 a parada do tabagismo têm que fazer parte da prática clonidina27 e ansiolíticos.28 A hipnose,29 a acupuntura30 médica. É importante que, em cada consulta médica, e a terapia aversiva21 também não têm efeito benéfico haja uma ação sistemática visando à identificação do fumante; ocorra aconselhamento vigoroso para que o Finalizando, nossa missão inclui a promoção de fumante deixe de fumar, de modo técnico, sem “mora- saúde e não apenas o tratamento de doenças. Ideal- lismos”; sejam identificados e apoiados aqueles que mente, nossa prática deve aliar a prevenção primária querem parar de fumar.19,20 Geralmente, os clientes fil- das doenças tabaco-relacionadas, aconselhando os tram o que ouvem durante uma consulta em função não-fumantes, particularmente as crianças e os jovens, daquilo que querem ouvir. Deve-se evitar que eles pos- a não começarem a fumar e estimulando/apoiando os sam sair de uma consulta dizendo: “O doutor não disse REFERÊNCIAS
1.
National Institute of Drug Abuse. Research Report on Nicotine: indoor air pollution. Am Rev Respir Dis 1987, 136: 1486-508.
13. National Heart, Lung and Blood Institute. Morbidity & Mortality: Centers for Disease Control and Prevention. National Center Chartbook of cardiovascular, lung and blood diseases. U.S. for Chronic Disease Prevention and Health Promotion. Tobacco Department of Health and Human Services, Public Health Information and Prevention Source (TIPS). Tobacco Use in the Service, National Institutes of Health; Bethesda, MO 1998.
14. Sobradillo V, Miratvilles M, Jiménez CA, Gabriel R., Viejo JL., Centers for Disease Control and Prevention. Cigarette Smoking Masa J.F., Fernández-Fau, L., Villasante, C. Epidemiological study Attributable Morbidity - U.S., 2000. Morbidity and Mortality of chronic obstructive pulmonary disease in Spain (IBERPOC): Weekly Report. 2003 Sept; 52(35): 842-844.
prevalence of chronic respiratory symptoms and airflow Morbidity and Mortality Weekly Report. Annual Smoking- limitation. Arch Bronconeumol 1999, 35: 159-66. Attributable Mortality, Years of Potential Life Lost, and Economic 15. Masa J.F, Miravitlles M, Villasante C et al. Underdiagnosis and Costs-U.S., 1995-1999. Vol. 51, No. 14, April 2002. geographical differences in COPD prevalence in Spain. Am J U.S Department of Health and Human Services. Women and Respir Crit Care Med 1999, 159: A921.
Smoking: A Report of the Surgeon General, 2001.
16. Lopez AD, Murray CC. The global burden of disease, 1990-2020. Morbidity and Mortality Weekly Report. Annual Smoking- Attributable Mortality, Years of Potential Life Lost, and Economic 17. National Institutes of Health (NIH). Global Initiative for Chronic Costs-U.S., 1995-1999. Vol. 51, No. 14, April 2002. Obstructive Lung Disease (GOLD): Global strategy for the Wasswa-Kintu S, Gan WQ, Man SF, Pare PD, Sin DD. Relationship diagnosis, management, and prevention, of chronic obstructive between reduced forced expiratory volume in one second and pulonary disease (COPD): NHLBI/WHO Workshop Report. NIH the risk of lung cancer: a systematic review and meta-analysis. 18. Anthonisen NR, Connett JE, Kiley JP et al. Effects of smoking Godtfredsen NS, Prescott E, Osler M. Effect of smoking reduction intervention and the use of an inhaled anticholinergic on lung cancer risk. JAMA. 2005; 294: 1505-10.
bronchodilator on the rate of decline of FEV1. JAMA 1994, 272: Xu X., Weiss, ST., Rijcken B, Schouten JP. Smoking, changes in smoking habits, and rate of decline in FEV 1 : new insight into 19. The Tobacco Use and Dependence Clinical Practice Guideline gender differences. Eur Respir J 1994, 7: 1056-61. Panel, Staff and Consortium Representatives. A clinical practice 10. Chen JC., Mannino MO. Worldwide epidemiology of chronic guideline for treating tobacco use and dependence. JAMA obstructive pulmonary disease. Curr Opin Pulm Med 1999, 5: 20. Society for Research on Nicotine and Tobacco. AHCPR smoking 11. Dennis R, Maldonado D, Norman S, Baena E, Martínez G. cessation guideline: its goals and impact. Tob Control 1996, Woodsmoke exposure and risk for obstructive airways disease 21. Silagy, C. Stead, L.F. Physician advice for smoking cessation. 12. Samet J.M. Marbury M, Spengler J. Health effects and sources of Cochrane Database Syst Rev 2001, 2: CD000165. Campos HS . O médico e o cigarro
22. Murray, R.P., Johnston, J.J., Dolce, J.J., Lee, W.W., O’Hara, P. Social support for smoking cessation and abstinence: the Lung Health 26. David S, Lancaster T, Stead LF. Opioid antagonists for smoking cessation. Cochrane Database Syst Rev 2001, 3: CD003086. 23. May, S., West, R. Do social support interventions (“buddy 27. Gourlay SG, Stead LF, Benowitz NL Clonidine for smoking systems”) aid smoking cessation? A review. Tob Control 2000, 9: cessation. Cochrane Database Syst Rev 2000, 2: CD000058.
28. Hughes JR, Stead LF, Lancaster T. Anxiolytics for smoking 24. Silagy C, Lancaster T, Stead L, Mant D, Fowler G. Nicotine cessation. Cochrane Database Syst Rev 2000, 4: CD002849.
replacement therapy for smoking cessation. Cochrane Database 29. Abbott NC, Stead .F, White AR, Barnes J, Ernst E. Hypnotherapy for smoking cessation. Cochrane Database Syst Rev 2000, 2: 25. Tashkin DP, Kanner R, Bailey W et al. Smoking cessation in patients with chronic obstructive pulmonary disease: a double- 30. White AR, Rampes H, Ernst E. Acupuncture for smoking blind, placebo-controlled, randomized trial. Lancet 2001, 357: cessation. Cochrane Database of Syst Rev 2000, 2: CD000009.

Source: http://www.sopterj.com.br/revista/2005_14_4/01.pdf

Index - handbuch geriatrie

Handbuch Geriatrie Deutsche Krankenhaus Verlagsgesellschaft mbH Handbuch Geriatrie Alter, biologisches 48Alter, hormonelle Veränderung 585Alter, nichtorganische psychische Störung des 853Altern, aus bevölkerungsmedizinischer Sicht 16Acetylsalicylsäure 153, 276, 646, 991, 1053Actinobacillus actinomycetemcomitans 1067Altersveränderung, der Sexualfunktionen 639Altersveränderung, der

Piacentino

C rastorno por uso de marihuana: aspectos médico-leg DROGAS EN PELO: SUS ALCANCES Y LIMITACIONES IIExperiencia en el laboratorio de toxicología y químicaEn el año 1989 en relación al acompañan a las drogas de abuso, A. M. Perkins de na, sobre una matriz no difundidaen aquella época como era el pelo. Esta decisión fue muy importante Autores: A. M. Perkins de Piacentino; O. A. Locan

Copyright © 2010-2014 Online pdf catalog