Enfin disponible en France, grâce à une étonnante formule France, 100% naturelle, vous pouvez maintenant dire stop à vos problèmes d’impuissance et à vos troubles de la virilité. Cette formule révolutionnaire agit comme un véritable achat viagra naturel. Ses résultats sont immédiats, sans aucun effet secondaire et vos érections sont durables, quelque soit votre âge. Même si vous avez plus de 60 ans !

Fasfhic.eu

Plano de Formação 2007/08
Com Francisco de Assis, movidos pela Palavra,

encetar caminhos de conversão
Tema nº 2
Conversão Interior
Tema nº 2
Conversão Interior
Motivação
Com frequência ouvimos falar de conversão. Mas a conversão não é unicamente fruto do nosso esforço. A Palavra de Deus, os Sacramentos, as circunstâncias da vida… são o “adubo” de Deus, os cuidados que nos proporciona para continuarmos a crescer, para podermos amadurecer, para nos convertermos e darmos fruto em abundância. Proposta de Cânticos

* Renova-me (Pneuma Vita, Cd Rios de Águas Viva)
* Vaso Novo (Isabel Cardoso, Cd Quero louvar-Te)
* Um novo coração me dá Senhor (Frei Hermano da Câmara, Cd Missa Portuguesa)
Escutando a Palavra
Convertei-vos a mim de todo o coração.” Cf. Dt 30, 10 “Sede santos, como vosso Pai celeste é santo” Mt. 5, 48 “Um homem tinha uma figueira plantada na sua vinha e foi lá procurar frutos, mas não os encontrou. Disse ao encarregado da vinha: ‘Há três anos que venho procurar fruto nesta figueira e não o encontro. Corta-a; para que está ela a ocupar a terra? Mas ele respondeu: ‘Senhor, deixa-a mais este ano, para que eu possa escavar a terra em volta e deitar-lhe estrume. Se der frutos na próxima estação, ficará; senão, poderás cortá-la”. Lc 13, 6-9 “Um homem tinha dois filhos.O mais novo disse ao pai: ‘Pai, dá-me a parte dos bens que me corresponde.’ E o pai repartiu os bens entre os dois. Poucos dias depois, o filho mais novo, juntando tudo, partiu para uma terra longínqua e por lá esbanjou tudo quanto possuía, numa vida desregrada. Depois de gastar tudo, houve grande fome nesse país e ele começou a passar privações. Então, foi colocar-se ao serviço de um dos habitantes daquela terra, o qual o mandou para os seus campos guardar porcos. Bem desejava ele encher o estômago com as alfarrobas que os porcos comiam, mas ninguém lhas dava. E, caindo em si, disse: ‘Quantos jornaleiros de meu pai têm pão em abundância, e eu aqui a morrer de fome! Levantar-me-ei, irei ter com meu pai e vou Plano de Formação 2007/08
Com Francisco de Assis, movidos pela Palavra,

encetar caminhos de conversão
Tema nº 2
Conversão Interior
dizer-lhe: Pai, pequei contra o Céu e contra ti; já não sou digno de ser chamado teu filho; trata-me como um dos teus jornaleiros.’ E, levantando-se, foi ter com o pai. Quando ainda estava longe, o pai viu-o e, enchendo-se de compaixão, correu a lançar-se-lhe ao pescoço e cobriu-o de beijos. O filho disse-lhe: ‘Pai, pequei contra o Céu e contra ti; já não mereço ser chamado teu filho.’ Mas o pai disse aos seus servos: ‘Trazei depressa a melhor túnica e vesti-lha; dai-lhe um anel para o dedo e sandálias para os pés. Trazei o vitelo gordo e matai-o; vamos fazer um banquete e alegrar-nos, porque este meu filho estava morto e reviveu, estava perdido e foi encontrado.’ E a festa principiou. Ora, o filho mais velho estava no campo. Quando regressou, ao aproximar-se de casa ouviu a música e as danças. Chamou um dos servos e perguntou-lhe o que era aquilo. Disse-lhe ele: ‘O teu irmão voltou e o teu pai matou o vitelo gordo, porque chegou são e salvo.’ Encolerizado, não queria entrar; mas o seu pai, saindo, suplicava-lhe que entrasse. Respondendo ao pai, disse-lhe: ‘Há já tantos anos que te sirvo sem nunca transgredir uma ordem tua, e nunca me deste um cabrito para fazer uma festa com os meus amigos; e agora, ao chegar esse teu filho, que gastou os teus bens com meretrizes, mataste-lhe o vitelo gordo.’ O pai respondeu-lhe: ‘Filho, tu estás sempre comigo, e tudo o que é meu é teu. Mas tínhamos de fazer uma festa e alegrar-nos, porque este teu irmão estava morto e reviveu; estava perdido e foi encontrado.’ Lc 15,11-32 «Qual é o homem dentre vós que, possuindo cem ovelhas e tendo perdido uma delas, não deixa as noventa e nove no deserto e vai à procura da que se tinha perdido, até a encontrar? Ao encontrá-la, põe-na alegremente aos ombros e, ao chegar a casa, convoca os amigos e vizinhos e diz-lhes: ‘Alegrai-vos comigo, porque encontrei a minha ovelha perdida.’ Digo-vos Eu: Haverá mais alegria no Céu por um só pecador que se converte, do que por noventa e nove justos que não necessitam de conversão.» Lc 15,4-7 A Voz da Igreja
A conversão não acontece nunca de uma vez por todas, mas é um processo, um caminho interior de toda nossa vida. Converter-se quer dizer buscar Deus, caminhar com Deus, seguir docilmente os ensinamentos de seu Filho Jesus Cristo. Converter-se não é um esforço por realizar a si mesmo, porque o ser humano não é o arquitecto do próprio destino. Nós não criamos a nós mesmos. Por isso, a auto-realização é uma contradição e é muito pouco para nós. Temos um destino mais alto. Poderíamos dizer que a conversão consiste precisamente em não se considerar ‘criadores’ de si mesmos, descobrindo deste modo a verdade, porque não somos autores de nós mesmos. (Bento XVI, Intervenção na audiência geral, Quarta-Feira de Cinzas de 2007) “A conversão a Deus consiste sempre na descoberta da sua misericórdia, isto é, do amor que é “paciente e benigno” como o é o Criador e Pai; amor ao qual “Deus e Pai de nosso Senhor Jesus Cristo” é fiel até às últimas consequências na história da Aliança Plano de Formação 2007/08
Com Francisco de Assis, movidos pela Palavra,

encetar caminhos de conversão
Tema nº 2
Conversão Interior
com o homem, até à cruz, à morte e à ressurreição do seu Filho. A conversão a Deus é sempre fruto do retorno para junto deste Pai, “rico em misericórdia”. O autêntico conhecimento do Deus da misericórdia, Deus do amor benigno, é a fonte constante e inexaurível de conversão, não somente como momentâneo acto interior, mas também como disposição permanente, como estado de espírito. Aqueles que assim chegam ao conhecimento de Deus, aqueles que assim O “vêem”, não podem viver de outro modo que não seja convertendo-se a Ele continuamente. Passam a viver em estado de conversão; e é este estado que constitui a característica mais profunda da peregrinação de todo homem sobre a terra, em estado de peregrino. (Exortação Apostólica, João Paulo II, 1980, Dives in Misericordia, 13) Das Fontes Franciscanas
Era o ano de 1205. O jovem Francisco, procurando grandes glórias terrenas, decide alistar-se nos exércitos comandados por Gualter de Brienne. Arma-se magnificamente e parte. Estando a caminho, em Espoleto, quando dormitava, ouviu uma voz a perguntar-lhe onde queria ir. Revelou com prazer toda a sua ambição. Então a voz acrescentou: “Quem te pode dar mais, o Senhor ou o servo?” Respondeu: “O Senhor”. A voz replicou: “Ora bem, porque deixas o Senhor pelo servo, o príncipe pelo vassalo?” Então Francisco perguntou: “Que quereis que eu faça, Senhor?” “Volta para a tua terra – disse a voz – e lá saberás o que deves fazer.” (Cf., Fontes Franciscanas I, Legenda dos Três Companheiros, 6). Até ao fim da vida, Francisco procurou sempre e acima de tudo desejar ter o Espírito do Senhor. E o Espírito incessantemente o foi conduzindo por caminhos de desprendimento de si mesmo cada vez mais profundo. Essa desapropriação interior, longe de constituir empobrecimento da sua rica personalidade, alargava-lhe, no coração, um espaço cada vez maior. Ia crescendo nele a capacidade de comunhão e de fraternidade. Recusando apropriar-se fosse do que fosse, entrava à vontade em comunhão com qualquer criatura. A pobreza transformava-se em riqueza. Era a chave do Reino. Com tal espírito de mansidão, Francisco renascia, ao mesmo tempo, para Deus, para o mundo e para si próprio. (Elói Leclerc, Desponta o sol em Assis, Editorial Franciscana, Braga, 1999, pág. 115). Bebendo do Carisma
Deus exigiu à Mãe Clara sacrifícios e renúncias, até o martírio interior, mas nunca qualquer atitude, por mínima que seja, desmente o que aconselha. Por isso, as obras que nascem do seu zelo apostólico aparecem como autênticos “milagres” da mão de Deus. (Cf., A Irmã dos Pobres, Irmã Maria Lucília L. de Carvalho, pág. 36) Plano de Formação 2007/08
Com Francisco de Assis, movidos pela Palavra,

encetar caminhos de conversão
Tema nº 2
Conversão Interior
“Quanto devemos andar sempre preparadas e com a consciência sempre tranquila!” (Fontes da Confhic III, Mãe Clara, Circular nº 13, pág. 50) Para reflexão
A fundamentação mais universal para indicar a conversão é a da mudança. Daí surge a primeira questão: quem deve mudar, a realidade, os condicionamentos, as
estruturas ou o indivíduo que é o atingido ou mesmo o causador dessas estruturas
?
O mais fácil é a de culpar as estruturas e, com isso, continuar na rotina do “deixa
andar”. Parece a resposta mais fácil.
Converter-se é mudar, ser diferente, mudar de rumo, agir de maneira diversa. Segundo a Bíblia, a conversão implica em mudança de mentalidade (matanoia): assumir uma cosmovisão diferente, valores novos, postura ética de outro feitio e vertente. Pede mudança de rumo e de prospectiva. É bem verdade, que a conversão pressupõe, como primeiro passo, o conhecimento da realidade a ser transformada. Exige um profundo conhecimento de si
mesmo e de tudo aquilo que afecta e pode modificar a minha pessoa, ou melhor, minha
personalidade. Quais os “mecanismos” que determinam o meu agir, resultante do
meu modo de pensar?
Aqui entramos em uma área bastante ampla e complexa. Não
são muitos os que, realmente, se conhecem a fundo. Seria preciso ampliar o auto-
conhecimento.
Perguntamo-nos o que Cristo intentava, quando convidou seus ouvintes à conversão: “Convertei-vos! Crede na Boa-Nova!”. Estava em jogo, naquela hora, a própria finalidade da sua vinda ao mundo, o conteúdo de seu ensinamento e de seu modo de agir. Primeiramente, Cristo veio-nos ensinar a ser filhos e filhas de Deus e, de consequência, a ser irmãos e irmãs. Parece simples e, contudo, é o caminho de conversão mais difícil. Ser filho e filha de Deus importa em “estar nas coisas do Pai” (Lc 2,49), sem esquecer as da
terra
. Cuidar e amar o que é terreno em vista do que é eterno. São normas
fundamentais e irrenunciáveis. É o equilíbrio entre materialismo e alienações. Quando,
em dias de estudo, de retiro ou de aprofundamento da fé, se fala de conversão, assalta-
nos uma certa tristeza, medo e insegurança. Trata-se de algo novo, omitido ou nunca
antes pensado como urgente.
• Amo na verdade a Deus com todo meu coração e preocupo-me em renovar a minha fé cristã através da oração, da participação activa na Eucaristia dominical, da leitura da Palavra de Deus? • Tenho uma relação de confiança e amizade com Deus? • Ofereço ao Senhor meus trabalhos e alegrias? Recorro a Ele constantemente, ou • Que uso tenho feito do tempo e dos talentos que Deus me deu? • Amo de coração o meu próximo como a mim mesmo e como o Senhor Jesus me Plano de Formação 2007/08
Com Francisco de Assis, movidos pela Palavra,

encetar caminhos de conversão
Tema nº 2
Conversão Interior
• Na minha família colaboro em criar um clima de reconciliação com paciência e • Recorro com frequência ao Sacramentos? • O que é que mais me tem ajudado a crescer como cristão franciscano • Como poderia a Fraternidade ajudar-me a amadurecer e dar fruto? Proposta de Compromisso

No final de cada dia, vou avaliar a passagem de Deus pela minha vida e tomar
consciência da minha resposta aos Seus apelos.

*AJUDA PARA A CONCRETIZAÇÃO DO COMPROMISSO:
MÉTODO I

1. Pedir luz para rever o dia.
2. Lembrar-se do que aconteceu no dia que passou, agradecer o que houve de bom. 3. Ver o que foi mais marcante, mesmo as coisas pequenas, e perguntar-se como Deus me falou hoje pela Sua palavra e pelos acontecimentos. Como respondi? 4. Pedir perdão pelo que não foi conforme o Evangelho. 5. Prever o que pode ser melhor no dia seguinte e confiá-lo à graça de Deus. MÉTODO II
Exame de consciência:
Deveres para com Deus: Lembrei-me de Deus durante o dia, oferecendo-Lhe o meu
trabalho, dando-Lhe graças, recorrendo a Ele com confiança de filho? Deixei-me vencer
pelos respeitos humanos em algum momento? Fiz as minhas orações pausadamente com
atenção e devoção?
Deveres para com o próximo: Tratei com dureza ou desprezo os demais? Tive a
preocupação de ajudar os que me rodeiam, fazendo-lhes, além disso, a vida mais
Plano de Formação 2007/08
Com Francisco de Assis, movidos pela Palavra,

encetar caminhos de conversão
Tema nº 2
Conversão Interior
agradável? Preocupa-me também a sua vida religiosa? Fiz algum apostolado? Caí na murmuração? Perdoei? Rezei pelas pessoas que de algum modo me preocupam? Deveres para comigo mesmo: Lutei pela minha própria santificação? Deixei-me levar
por sentimentos de orgulho, vaidade, sensualidade? Esforcei-me por arrancar o meu
defeito dominante? Recorri a Deus para que aumente em mim todas as virtudes e,
especialmente, a fé, a esperança e a caridade?
Oração
1. Apresentação Power Point – Coração Arrependido (edição Fasfhic)
Ou
2. Rezar juntos o Salmo 51(50).
O Salmo 50 é um Salmo penitencial em que o ser humano pede a Deus que lhe dê
um coração limpo e um espírito firme para que possa servir a Deus sem entraves


Salmo 51(50)
Tem compaixão de mim, ó Deus, pela tua bondade;
pela tua grande misericórdia, apaga o meu pecado.
Lava-me de toda a iniquidade;
purifica-me dos meus delitos.
Reconheço as minhas culpas
e tenho sempre diante de mim os meus pecados.
Contra ti pequei, só contra ti,
fiz o mal diante dos teus olhos;
por isso é justa a tua sentença
e recto o teu julgamento.
Eis que nasci na culpa
e a minha mãe concebeu-me em pecado.
Tu aprecias a verdade no íntimo do ser
e ensinas-me a sabedoria no íntimo da alma.
Purifica-me com o hissope e ficarei puro,
lava-me e ficarei mais branco do que a neve.
Faz-me ouvir palavras de gozo e alegria
e exultem estes ossos que trituraste.
Desvia o teu rosto dos meus pecados
e apaga todas as minhas culpas.
Cria em mim, ó Deus, um coração puro;

Plano de Formação 2007/08
Com Francisco de Assis, movidos pela Palavra,

encetar caminhos de conversão
Tema nº 2
Conversão Interior
renova e dá firmeza ao meu espírito. Não me afastes da tua presença, nem me prives do teu santo espírito! Dá-me de novo a alegria da tua salvação e sustenta-me com um espírito generoso. Então ensinarei aos transgressores os teus caminhos e os pecadores hão-de voltar para ti. Ó Deus, meu salvador, livra-me do crime de sangue, e a minha língua anunciará a tua justiça. Abre, Senhor, os meus lábios, para que a minha boca possa anunciar o teu louvor. Não te comprazes nos sacrifícios nem te agrada qualquer holocausto que eu te ofereça. O sacrifício agradável a Deus é o espírito contrito; ó Deus, não desprezes um coração contrito e arrependido. Pela tua bondade, trata bem a Sião; reconstrói os muros de Jerusalém. Então aceitarás com agrado os sacrifícios devidos, os holocaustos e as ofertas.

Source: http://www.fasfhic.eu/attachments/132_Tema%20n%C2%BA2%20CONVERS%C3%83O%20INTERIOR.pdf

coat.ncf.ca

The G184’s Powerbrokers — Apaid and Boulos:Owners of the Fourth Estate; Leaders of the Fifth ColumnBy Richard Sanders, editor, Press for Conversion! Andy Apaid and Reginald“fourth estate”—often presented them“founder of Tele-Haiti,”1 the “main ca-‘Baby Doc’ Duvalier.” Apaid Jr. followedsion 2000.and Le Matin ,”3 which de-“the political footsteps of his fath

(microsoft word - 03_ind_general_el\351ctrica-cd-16-ene)

Presentación Guía de Instalación del Sistema Informático DOCTUS SECCIÓN I - CODIFICACIÓN 1. Ley de Régimen del Sector Eléctrico 2. Reglamento General de la Ley de Régimen del Sector Eléctrico • Reformas aplicables en forma general 1. Ley de Régimen del Sector Eléctrico 2. Reglamento General de la Ley de Régimen del Sector Eléctrico ● Ley de Régimen del Sector Eléctrico

Copyright © 2010-2014 Online pdf catalog